Arquivo de fevereiro, 2010

Out in Asheville

Publicado: 2 de fevereiro de 2010 em Sem Categoria

É quarta-feira a noite e Mike, 43 anos, pai de dois mas solteiro, tem seu telefone chamando a cada 10 minutos. OK, ele recebe muitas ligações do trabalho que realiza, mas essa noite, todas as noites, são na maioria ligações de meninas/mulheres que o convindam para esse ou aquele programa. Nessa quarta ele se prepara para sair com Sheina. Roupa limpa, barba feita, loção e tudo o mais. Até que ela liga e cancela tudo…

Mike entra num estado de frustração e desespero que chega a ser engraçado. “Hey man, I need to get out of here! Let’s go out tonight, huh? What you say?”. E eu digo “hell yeah! Let’s do it!”. É minha folga no dia seguinte, sem problemas então. É noite de chutar o balde!

Mo’s Daddy é o bar com musica ao vivo onde vamos. Samantha veio junto e Mike está dirigindo um caminhão de médio porte que ele usa na construção onde trabalha. Estou rindo de rachar. Mike é uma das melhores pessoas que conheci. Mas faz pensar em quão distorcida é essa imagem que temos da vida, de que ela, aos 30, aos 40, deveria já estar assim, formatada. Uma casa, filhos, familia, emprego e rotina. Não digo aqui que a rotina seja por ela mesma, ruim. Para muitos rotina significa segurança, para alguns é até uma necessaria medida de ordem. Mas ver Mike passando por entre as pessoas no bar, e cumprimentando a muitos e sendo cumprimentado, pessoas dizendo “Hey man, what pleasure to see you here!”, me faz realizar que ainda há muito tempo, e que querer colocar tudo numa caixa é besteira. É bom, reconfortante sentir que estamos entre amigos, e é a primeira vez que sinto, em solo americano, que todos se gostam.

A banda que toca se chama Ralph, ou esse o nome do cara que canta, não percebi. É uma boa mistura de rock balada com um toque cowntry music e soul music, não sei, está bem balanceado e toma conta do hambiente. A muita gente dançando, muitas meninas, há mais meninas que homens. É a primeira vez que vejo gringos dançando de forma tão natural. Não é como numa disco, ou outro tipo de festa. Estão livres, são livres. As roupas são outras, as maneiras, os sorrisos. É fácil se apaixonar aqui!

Deixamos o palco e vamos ao bar. Mike diz que a rodada é dele, e eu chamo meu amigo Jack para animar minha noite e ele não me desaponta. Voltamos ao palco. A banda tem um violão, um violino, um outro instrumento de seis cordas que não sei qual é e o baterista. Um vocal masculino e um feminino. O tom está perfeito e a musica nos leva facilmente. As pessoas conhecem as letras e cantam juntos, dançam, rodopiam, pulam, suam, se tocam e se abraçam. Alguns casais se beijam. Todos se amam. E estou em casa!

Mike me apresenta Heder, uma amiga, da amiga da namorada oficial dele! Ela é linda, cabelos negros, na altura do queixo, com uns olhos, ah uns olhos de ressaca. Ela está um pouco bebada e completamente fumada e seus olhos semi-abertos me encantam profundamente. Ela dança solta, louca, rodopiante, sem parar. Logo percebo que nada vai se passar, mas apenas olhar aquele espetáculo despretencioso me deixa feliz. Com meu copo de Jack e com um pouco de swing latino, deixo a noite correr solta, sem expectativas! É lindo estar alí.

Saimos para fumar, eu e Mike. Uma pessoa se aproxima, e por um momento penso que um mendigo. “Hey Mike, how are you brotha?”. É mais um conhecido/amigo de Mike. “Hey Jorge, qual é o nome que voce está usando agora?” pergunta Mike. “Eu tenho muitos nomes. Meus filhos me chamam ‘PaPa’ e você também pode me chamar assim se quiser!”.

Voltamos para dentro. Duas lindas meninas estão no palco. Uma canta e toca o violão, outra toca banjo e faz a segunda voz. Divino! É suave e vivo, é belo e envolvente. Sem perceber estou me movendo numa espécie dança que não me atreveria a descrever e nem a repedir em outro lugar! O cara do violino volta a tocar com elas e tudo fica ainda melhor. Encantado vejo as duas decerem do palco e já não me surpreendo quando elas veem falar com Mike.

A noite no bar se caminha para o fechamento e nós começamos a planejar o que vem depois. Mike conversa ali e aqui com varias pessoas. Parece que vai haver uma festa na casa de alguém. Ele  Heder, mas era claro que ela declinaria. Porém outras pessoas topam.

Subimos no caminhão e vamos outra vez…