Arquivo de agosto, 2008

A Meio do Caminho

Publicado: 14 de agosto de 2008 em Sem Categoria

Aqui na escola, quando chegamos ao meio do programa, nohs precisamos escrever um relatorio sobre como nos sentimos e como vao nossas expectativas. Esse foi o meu relatorio.

Midway Report

01- About me

Hi, my name is Mauricio. People use to call me Mao. It’s easier.

When I came do IICD I was happier. I think maybe I was more exciting about the school, about the program, about the classes, about all kind of peoples I was going to meet.

At the beginning I was so surprised of how many Brazilians were in IICD. It’s not that I don’t like Brazilians, but they were so many that I didn’t feel like I was living Brazil behind, and also I was no living my comfortable area. It’s really hard do change some habits with so many people with the same habits around you. Some say that I’m not Brazilian, but still I’m, and is so easy to get closer just with Brazilians that some times I just forget where I was, and why I was there. Of course, it’s not there fault, is my fault.

I don’t know if I have to talk about this here, but work in Clothes collection with Patrick was the greatest experience that I have since I came from Brazil. He touch me so many thing about Africa and what kind of volunteers they need there. Not about historic things, our economics issues, but really practical things, day-to-day things. And this changed my way to see things more then any other class that I had have here.

Obviously I’m glad that we have the African week, with Iltte. We learn more about Africa then I ever have learn before. But at same time, maybe is this the way that things suppose to be, but I think we don’t have going deeply in any of the questions our issues our countries. Even Mozambique, that was in our manual since the beginning. Maybe the teachers wish that we make this for ourselves, but I’m not sure if this is the best way, at least, when people are just beginning a new kind of environment, our trying to get a new habit.

Right now I just feel tired. And this is so bad for me and for my team. When I start the program I wish I could get people together to do things just by showing that we can do it. I never wanted to be a leader, nothing like this, but a really wish that by my example people could feel comfortable to try. Like in fundraising trips I try to never say things like “I’m tired, let’s go home!” our “Can I rest, can I have a day-off?”. But now I think this were my bad. People are the way they are and they aren’t going to change because I like them to change. So I realize that I was just stressing my self and wasting my time and energy. Now I’m trying to come back to the first feeling, to get motivated again, but I thing I have to it by myself. It’s one of those thing we have to do by ourselves and don’t blame the team our the team-leader.

My responsibility area is Vehicles. And I know that I’m not doing a great job. I feel bad because of that. I have tried in the beginning to made it good, to made manitaince in the white ford every weekend, but it was not working, and after all the problems we had with cars been broken our hitting, and also after we start the fundraising trips I just give-up to make this every weekend and by now I’m just doing this before traveling and after come back. And not a full inspection, just basic things like water, oil and brakes fluid and drive fluid. I think we have to change the way the thing has be doing until now. Some cars are so old to be driving for anyone and some people are so inexperienced drivers that they shouldn’t be aloud to drive any car without an experienced driver. And I really think that is a good idea to have a checklist before and after use the car.

I’m not worried about fundraising at all. We are doing so well and my last fundraising trip was so nice and calm that I really thing we are going to finished everything in time. But, I think some people in the school e also in the team are given so much importance to this that some times we pass through, our over, some more important things, like team building, our own preparation to Africa. I don’t know, at least to me is not a big thing to ask for money, make trip plans, reorganize things if they are going wrong; I kind of have been doing this my whole life. So in stead to be worried about fundraising I’m worried about the team members, how to manager to everybody be in the best mood, and in the best position possible. I know that money is important, but I don’t think, actually I don’t believe, that it’s the main thing when we talk about volunteers going to work in Africa. And we had so many situations about money that make me really sad. It’s so difficult to do some things because there is always moneys issues, I mean, people given so much importance to money that we miss things, that they change small problems in a really huge issue. Most of the time in a bad way.

I have changed. It’s hard to changed, but still, I thing it’s necessary. I’m 28 years old, and many things are really sedimented in my mind. Like archetypes. It’s so hard to dry don’t label people. Give them a chance to show that they are different from what I thought they suppose to be. But, gladly, people in my team are really helping on this, even with they don’t know it, our perceive it. Other thing is that I’m not so happy now as I used to be in the beginning. Maybe I was so much, even a little goofy, but now, because of all the things I all ready wrote about, I had changed it. I can’t say that I’m a serious guy right now, but also, I can’t say that I’m so happy anymore. Is not that I’m depress, is just that I’m more quite now. I had stopped to play my guitar and it means a lot.

02 – About my Training

I don’t have much to say about my preparation to work in Africa. Even now I don’t know were am I going to work. All that I know is that it’s EPF and it’s in Mozambique. Besides that I don’t know anything more than I all ready knew when I was in Brazil. So, I all ready have being a teacher and I have skills to do that, but until a get to know the place that am I going to work, the project leader, I can’t know specific things, specifics abilities that maybe I have to develop, knowledge that a I have to build.

I hope I’ll be able to help, and to do my best, but I’m pretty sure that is going to be really sad that, at the end, I can’t do my best because I couldn’t prepare my self to the task up frond. So I wish we can have the locations and get in contact with ours projects leaders soon as possible. And I thing we should make a effort to try get this information earlier as possible to every DI in training.

I don’t disagree when people say that fundraising is a good way to develop many abilities that may help in Africa, but I think we should focus in more specifics classes, specifics trainings.

03 – Advises to the next Team

· Don’t expect that people in your team are going to be just like you. I really mean it! Volunteers came here from every part of the globe, for many different reasons.

· Try to build a good team relationship, but don’t lose yourself on it. The team and you are different things.

· Things around you are just good as you. So stop complain and try to make it better.

· Try to find a middle way when you are in fundraising trips. No just about money, not just about relax.

· Don’t take so many responsibilities upon your shoulders. Share these issues with your teammates.

04 – My CampFuture

Since the beginning my plan was to be a co-teacher during my Camp Future. And since a get know that I’m able to do it in KNEC this is my plan.

Mauricio Rodrigues Pinto. May Team 2008.

Abre Alas.

Publicado: 6 de agosto de 2008 em Sem Categoria

Este é o primeiro texto que coloco nesse blog. Depois de quase seis meses longe de casa e daqueles que me são queridos, penso que devo buscar uma forma de me colocar mais perto deles e, se assim quiserem, trazê-los para mais perto mim. Comentem!

Esse foi o primeiro texto que escrevi aqui. Meu primeiro dia aqui. Uma narrativa sem mais reflexões, e sem pretensões alem disso, narrar o meu dia. Ainda hoje me lembro de cada um desses detalhes, de cada rosto, e acredito que tantos outros também não esquecerei. Outras histórias, outros dias.

Indo para Nova York.

Era dia quando pisei no aeroporto de Gongonhas, não estava frio como sempre está em São Paulo, estava nublado, como sempre está em São Paulo. De Congonhas peguei um onibus direto para Guarulhos, coisa de uns 25 reais, o que me surpreendeu não pensei em gastar mais de quinze reais com isso. Chegando em Guarulhos fui direto ao balcão da empresa de aviação na esperança de conseguir despachar minha bagagem e passar o dia no aeroporto pelo menos sem as malas para me encomodar, mas não deu certo, a moça queria me mandar direto num voo que saía naquele momento, mas eu teria que pagar a diferença do valor de passagem, e isto estava fora das minhas possibilidades. Então apenas me sentei em frente a uma TV ali no saguão e colocando as pernas por cima das malas dormi. Acordei uma hora e meia depois, familias inteiras sentadas ao meu redor e algumas passando olhando para um cuiabano que dormia ali com as pernas por cima da mala da vó. Saí do saguão e lá fora encontrei dois funcionários sentados num banco, perguntei a eles onde era o restaurante mais barato alí por perto, onde eles almoçavam, eles me indicaram um tal de Costa Verde ou algo assim, no piso debaixo do aeroporto, fui para lá. Arroz, batata, uma omelete com presunto e queijo e uma coca, treze reais e cinquenta centavos, um dia no aeroporto não é nada barato. Voltei para o banco de fora e dormi novamente. Nada melhor para passar o tempo. Acordei e um camarada tatuado estava ali sentado, puxou um conversa sobre voar, festas, mulheres paulistas e é claro tatuagens. Esperava um onibus e assim que ele chegou resolvi dar uma volta pelo aeroporto, havia uma livraria, onde consegui um Guia Visual de Nova York e Um Sonho Americano. Então a chuva comecou a cair lá fora, tentei ligar em casa para dizer que estava bem, mas ninguém atendeu, sai para ver a chuva. Alí fora, no banco de cimento duas senhoras conversavam animadas enquanto fumavam seus cigarros, as duas estavam indo trabalhar na Itália, ilegais, como domésticas, a mais nova conseguia falar, “obrigado, bomdia, boa tarde e boa noite”, a outra nem isso. Mas era uma questão de dinheiro, então apenas desejei boa sorte às duas e voltei para dentro do aeroporto, era por volta de seis da tarde e a fila para voo, que sairía somente as onze e quarenta e cinco já estava formada. Um cara estranho se aproxima e pergunta num inglês estranho se aquela era a fila para o voo tal para NY, eu digo que sim e ele fica por alí, é londrino e está indo para casa. A minha frente dois caras de Santa Catarina tambem vão para Albany e vão de taxi, penso que seria uma boa idéia rachar com eles, mas eles não parecem serem tão amigaveis, como todo o povo sul do Brasil não parece ser muito amigável. A fila demora cerca de duas horas para começar a andar. No balcão as perguntas básicas de segurança e a má notícia de que vou ter que gastar meus ultimos reais não com um sanduiche como queria, mas sim com um tal de Ziploc, um saquinho que fecha encima para guardar todos os meus produtos de higiene. Compro na farmácia, digo adeus aos meus reais e fico com quatro saquinhos cheios de desodorantes, shampoos, sabonetes, perfumes, tudo dentro da mochila. Não tenho mais o que fazer no saguão, vou então para a área de embarque. la dentro encontro a famosa área de livre comércio, onde se compra uma garrafa de Jhony Walker Black por apenas doze dólares, passo reto por isso e agora é esperar o voo. E ele atrasa. A área de embarque é uma confusão, todos voos estão saindo atrasados, a TAM esta perdida, são muitos voos saindo e passageiros desesperados por suas conexões. Sentado no meu canto vejo de longe um senhor batendo no balcão e gritando uns impropérios em espanhol. O voo da Delta atrasa meia hora para embarque mais meia para decolar, isso me preocupa pois tenho que pegar um onibus as dez em ponto em Nova York, na Port Authority Bus Station. Era madrugada de domingo quando saí do solo brasileiro.

O voo internacional é tranquilo, não tive as dores de ouvidos que sempre me acompanham nos voos domésticos. O avião é grande, tem bastante espaço mesmo na área econômica que é a minha. Há jornais para os passageiros e pego uma Folha de São Paulo para trazer para os brasileiros que estão há mais tempo fora de casa. É engraçado, mas nenhuma das aero-moças deve ter menos de 40 anos. Logo que saímos é servido um jantar e peço frango, é uma amostra da comida americana, sem gosto de nada, mas que naquele momento, depois de passar o dia no aeroporto, era maravilhosa. Recebo um kit do avião com fones de ouvido, máscara para dormir, essas coisas, e tento acompanhar Elizabeth, A Era de Ouro que passa no telão, mas o sono é mais forte. Acordo com o café da manhã colocado na minha mesinha, a moça ao meu lado pediu para deixarem ali, agradeço e como. Pela janela da para ver que estamos voando sobre o oceano, e são quase sete horas quando avistamos terra pela primeira vez. De cima da para ver pequenos blocos de gelo que boiam na costa, navios cargueiros enormes que passam puxados por minúsculos rebocadores. Nos aproximamos de NY City, parece um SimCity real, as casinhas iguais, as ruas iguais. Passamos por mansões enormes, com quintais enormes onde cabinham seus próprios campos de golfe. E por fim por volta de umas sete e cinquenta da manhã pousamos no Aeroporto JFK, está frio lá fora, cerca de 2 graus. Não há neve, apenas um vento seco.

Dois rapazes alemães que vieram fazendo barulho durante todo o voo estão na minha frente na fila, eles falam português e conversamos, ficam surpresos quando veem o visto americano no meu passaporte, eles não tem que tirar um. Estão vindo de Blumenau e dizem que nunca mais voltam para lá, para que atravessar o mundo para continuar vendo só alemães? Engraçados contam como foi a passagem pelo Rio de Janeiro, samba, carnaval, bunda, praia, são as palavras que eles mais repetem. E chegamos na fila da imigração, é a primeira vez que vou falar inglês com um americano e fico com certo medo, é um negro, e os negros americanos são diferentes dos brasileiros, as narinas são mais abertas embaixo, os lábios mais proeminentes, ele é careca, não me parece feliz. Bomdiacomovai. Nem três minutos demoram a entrevista, estou legalmente dentro dos EUA por seis meses. Na bagagem um japonês americano acha estranho tão pouca bagagem para seis meses, mas não faz caso e me deixa passar sem problemas. Saio preocupado com o onibus e um brasileiro, Marcos, me oferece uma corrida de van por vinte dólares, estou atrasado, e pode ser que o onibus não me deixe na rodoviaria a tempo de pegar o onibus das dez, então topo ir de van, cinco dólares mais caro do que o onibus. Enquanto esperava outros passageiros para fechar a van, um americano motorista de outra van explicou que eu gastaria mais de vinte dólares para ir de onibus e que não chegaria a tempo. Save time, Save money, foi o que ele me disse. Marcos fala bastante, mora nos EUA há quinze anos, morava no Alaska e não se preocupa com o frio que esta fazendo. Na van vão os caras de Santa Catarina e um casal em lua de mel. Ele quer mostrar para ela que já esteve aqui e por isso fica fazendo comentários sobre tudo, mas não chega a incomodar, a conversa é até animada. Passamos pelo Queens, pelo Bronx, o cemitério de NY City, enorme, com um crematório gigantesco, deve ter muita gente morrendo por aqui. E quando nos aproximamos de Manhattan, Marcos coloca Sinatra cantando “New York, New York” no som do carro, e realmente criou uma imagem indelével na minha memória.

Mas Manhattan é pequena, talvez, não sei ainda, seja rica de coisas para se ver e fazer, mas perto de São Paulo, Cidade do Mexico, é pequena (“pequenha” como diz Diego, um mexicano que conheci por aqui). Talvez tenha sido enorme nos anos cinquenta, os prédios são enormes, mas hoje, me parece, viver de uma lembrança de um passado grandioso.

O casal ficou num hotel chique, numa avenida principal, me parece em frente ao Madson Square Garden, os dois caras de Santa Catarina ficam num outro hotel e por fim chego a rodoviaria. Marcos diz que se eu voltar a Nova York ele aluga quartos por quarenta dolares por dia em Manhattan, parece fazer dinheiro por aqui é o que penso quando ele me fala o preço. Pago os vinte da corrida, digo adeus ao primeiro brasileiro que vi por aqui e entro na Port Authority. O nome da empresa é Peter Pan e foi fácil encontrar um Peter Pan na parede. A senhora era simpática, e falou de maneira a facilitar as coisas. Passagem na mão, morrem mais quarenta e três dólares, e vou para a fila. Tantos latinos, me parece que por aqui há mais latinos que os americanos “reais”. Entro então no onibus que sai exatamente as dez da manhã e a hora de chegada é duas e cinquenta da tarde.

A medida que vamos subindo no mapa a neve vai aparecendo mais, o frio aumenta e começam a aparecer pequenos lagos congelados, riachos em gelo, e por fim um lago tão grande que as pessoas entravam nele com carros e motos para correr sobre o gelo. Os mexicanos e negros descem nas cidades próximas e alguns estudantes começam a subir. Parecem bastante ricos, dizem que a universidade em Williamstown é uma das mais caras por aqui. A viagem é tranquila, não há parada para o almoço numa churrascaria na beira da estrada, só uma parada rapida para um café, que é horrivel, uma água marrom, e um donut, que parece um sonho de padaria, mas com o recheio por fora. O frio aumenta bastante, a neve não está fofa, esta dura por causa da chuva que cai de leve. Dentro do onibus escuto as conversas de alguns americanos e é muito estranho perceber que estou num lugar onde ninguém fala minha língua, me sinto mais sozinho do que o normal numa viagem de onibus. O motorista fala qual é a proxima parada cada vez que deixamos uma cidade para tráz, e seu sotaque é tão ruim, e o sistema de som é tão ruim que não entendo metade das cidades que ele fala, mas entendo perfeitamente quando ele diz, “next and our finally stop, Williamstown“!

A parada do onibus fica em frente ao William’s Inn, que é um tipo de hotel e centro de eventos e também uma sala de estar pública. Entro, peço informações sobre o IICD e um sr. e uma sra. que lá trabalhavam ligaram para o Instituto, mas não havia ninguém lá. Eu deixei uma messagem. Espero por cerca de três horas. No restaurante do hotel está acontecendo algum tipo de encontro de idosos, e eles começam a sair sorridentes de lá, velhinhos bem cuidados, bem vestidos, prontos para o frio lá fora. Alguns estudantes esperam o onibus partir para Nova York de volta e fazem muito barulho no hall de entrada. Ligo para casa, são um dolar e vinte cinco por dez minutos no orelhão. É bom ouvir uma voz de casa.